Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2013

Fé é comportamento

Fé, uma palavra muito comum, muito usual, muito profunda, mas tão pouco vivida. Há várias definições para a palavra "fé" no conceito popular: "crer, acreditar, ter confiança". Esse conceito popular não está errado, mas a fé não é apenas isso, a fé é muito mais. O conceito Bíblico admite como definição de Fé é: "Fé é a  certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos". Mas digo que fé é mais ainda que isso. Fé é comportamento. Fé é comportar-se segundo o que Deus diz.

Todo herói na fé tem um ato, um comportamento que o caracteriza como tal. Vamos citar alguns:

Enos - O primeiro homem pós queda a invocar o nome do Senhor
Noé - O homem que construiu uma arca e condenou o mundo antigo (anti-diluviano)
Abraão - Conhecido como Pai da Fé; Estava disposto a oferecer Isaque como Sacrifício
Moisés - Abriu o mar Vermelho, executou as pragas no Egito, viu a Shekiná
Paulo - Renunciou toda a sua vida em prol de Cristo

Obviamente todos aqui listados são…

A Parábola dos Talentos não é bem de dez talentos!!

A Parábola dos Talentos não fala de "dez talentos" (Mateus 25:14-30)

O Homem que é dono dos talentos entrega a seus servos oito talentos em proporção desigual. A um ele dá cinco, a outro dois e a outro apenas um talento. No final da Parábola, quando o dono dos talentos pede o acerto de contas, se verifica "quinze" talentos. o que recebeu cinco ganhou mais cinco, o que recebeu dois ganhou outros dois e o que recebeu apenas um talento não conseguiu nenhum. Inclusive, no final das contas perdeu para o que agora tinha dez. Ficando assim:

1º Personagem ficou com onze talentos (cinco recebidos, cinco conquistados e mais um do servo negligente)

2º Personagem ficou com quatro talentos (dois recebidos e dois conquistados)

3º Personagem ficou sem nenhum talento.

A Parábola dos talentos começa com oito talentos e termina com quinze.

(O que a Bíblia não diz - Pr. Antônio Evangelista. Págs. 93, 94)

Uma pequena nota explicativa de Eclesiastes 7:10

A Forma portuguesa não oferece a resposta de tal proibição. Num estudo exegético que fiz, encontrei uma outra possível vertente (tradução) que seria assim:

"Jamais pense: 'Por que os dias passados foram melhores?' Isso só te levaria a mendigar".

Por que essa forma de tradução? Para cada palavra da língua portuguesa, há sete palavras correspondentes no hebraico. E a palavra final do texto hebraico (Shâ'al Shâ'el) traduzida na Nova Versão Internacional como "Fazer esse tipo de pergunta". Na forma passada (Heb. Piel) também significa: Pedir esmolas, praticar mendicância. 

Então quem fica preso ao passado mendiga seu presente e seu futuro. Essa é razão de tal proibição, perdemos tanto o passado quanto o presente e o futuro.