domingo, 1 de dezembro de 2013

Sermõezinhos geram Cristãezinhos

John Stott já dizia "Sermõezinhos produzem cristãezinhos"; essa é a verdade que se vê na maioria das denominações hoje: pregadores rasos entregando mensagens rasas, consequentemente gerando um povo raso. Gerando pessoas desqualificadas para suportar a pressão, as tentações, as provações, as turbulências que vem inevitavelmente.

Pregamos muito sobre prosperidade, cura, unção, restituição, conquista e nada disso é errado, desde que não ocupe todo o tempo, desde que não esgote todo o esforço. É necessário que preguemos também sobre o sofrimento, sobre a tribulação, sobre as tentações, pois são assuntos igualmente bíblicos.

Temos o mau costume de enfatizar um tema em detrimento de outro. Precisamos pregar 'todo o conselho de Deus' que inclui o sofrimento. 

"O maior inimigo do cristianismo não é o anticristianismo, mas o 'subcristianismo'" (Stanley Jones). O nosso maior problema não são as heresias, o nosso maior problema é a nossa negligência em preparar um povo que maneja corretamente a palavra da verdade, um povo plenamente preparado para o Senhor. Moody dizia "o maior problema da Obra são os Obreiros".

"Há muitas igrejas cheias de pessoas vazias e vazias de pessoas cheias de Deus" (Errol Hulse), "Não teremos reavivamento enchendo nossas igrejas de homens, mas enchendo com Deus os que já frequentam a igreja" (D. Campbell).

Por vezes, fui em 'cultos' onde saí como entrei, pode-se argumentar: "Você não foi de coração aberto, por isso não recebeu", mas, a Bíblia argumenta que quando Deus fala sua palavra é poderosa e queima em nossos corações por si só.

Vamos reconsiderar o cristianismo que dizemos ser bíblico. Ousemos pregar toda a Palavra, somente a Palavra.

Ousamos falar das Tribulações:

Isaías 48:10 “Veja, eu refinei você, embora não como prata; eu o provei na fornalha da aflição.”

João 16:33 “"Eu lhes disse essas coisas para que em mim vocês tenham paz. Neste mundo vocês terão aflições; contudo, tenham ânimo! Eu venci o mundo".”

Atos 14:22 “fortalecendo os discípulos e encorajando-os a permanecer na fé, dizendo: "É necessário que passemos por muitas tribulações para entrarmos no Reino de Deus".”

I Tessalonicenses 3:3 “para que ninguém seja abalado por essas tribulações. Vocês sabem muito bem que fomos designados para isso.”

Ousemos falar do sofrimento:

Jó 17:11 “Foram-se os meus dias, os meus planos fracassaram, como também os desejos do meu coração.”

Jó 30:16 “"E agora esvai-se a minha vida; estou preso a dias de sofrimento.”

Jó 30:27 “Nunca pára a agitação dentro de mim; dias de sofrimento me confrontam.”

Romanos 8:17 “Se somos filhos, então somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, se de fato participamos dos seus sofrimentos, para que também participemos da sua glória.”

Romanos 8:18 “Considero que os nossos sofrimentos atuais não podem ser comparados com a glória que em nós será revelada.”

Ministros do Evangelho, conclamo a todos que conheço, cumpramos, (incluo-me aqui com vocês) o que Paulo escreveu a Timóteo: 

“Na presença de Deus e de Cristo Jesus, que há de julgar os vivos e os mortos por sua manifestação e por seu Reino, eu o exorto solenemente: Pregue a palavra, esteja preparado a tempo e fora de tempo, repreenda, corrija, exorte com toda a paciência e doutrina. Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo os seus próprios desejos juntarão mestres para si mesmos.” 

Vamos expor ao nosso povo somente a Bíblia como Neemias e Esdras fizeram (Neemias 8:8), vamos falar somente a Palavra e toda a Palavra.

A Igreja Brasileira está como está, por causa de nós, pastores. A Igreja é reflexo do seu pastor. Se o pastor for um graveto seco a queimar, lenha verde começará a arder diz o Rev. Hernandes Lopes.

Que possamos pregar, mas pregar com ousadia todo o conselho de Deus e pregar no poder do Espírito Santo.