terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

História da Igreja - 1 ª Parte - A Igreja apostólica - Heresias na Igreja Primitiva

HERESIAS: UMA DISTORÇÃO DA VERDADE REVELADA

Há uma lista interminável de heresias e elas continuam crescendo até hoje. Não tencionamos alistar aqui todas as heresias, mas classificamos as heresias em cinco grupos:

1.      Negações da humanidade de Cristo
2.      Negações da Divindade de Cristo
3.      Negações da distinção entre Pai e Filho
4.      Negação da União Pessoal de Cristo
5.      Outras Heresias

O que é heresia?

Heresia provém do grego Hairesis que originariamente significa “escolha, facção, preferência pessoal”. Ao longo do tempo adquiriu o significado de “ponto de vista contrário a sã doutrina”. O termo grego hairesis ocorre no Novo Testamento em passagens como: Atos 5:17; 15:5; 24:5,15; 26:5; 28:22; 1 Coríntios 11:19; Gálatas 5:20; 2 Pedro 2:1. Algumas vezes a versão portuguesa traduz hairesis como “seita”.

Existe um ramo especifico que estuda as seitas e heresias chamado de “Heresiologia”.

Por que estudar seitas e heresias?

O Rev. Hernandes Dias Lopes diz: “Quem não aprende com a história repete seus erros; a história pode ser nossa pedagoga ou nossa coveira. O que Deus fez é o que Deus faz e o que Deus fará ainda, pois ele é o mesmo e não mudou.” Assim sendo, podemos aprender com os apologistas a defender o verdadeiro Evangelho Bíblico, além do mais, não repetiremos os erros de tais hereges. Aqui cabe muito bem o que Paulo escreveu a Tito: “Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, evita-o, sabendo que esse tal está pervertido e peca, estando já em si mesmo condenado.” (Tito 3:10,11 ARC). Nas palavras de Cícero: “Ignorar... o que aconteceu antes de termos nascido equivale a ser sempre criança”.
 

1.      Heresias que negam a Humanidade de Cristo:

1.1              Docetismo: Palavra oriunda do grego Dokeô “parecer ou aparecer”. Afirmava que Jesus era Deus, mas seu corpo era ilusório, apenas parecia ser humano. Heresia desmantelada pelos credos Apostólico, Niceno, e Constantinopolitano. Também conhecida como Gnosticismo.

1.2              Apolinarismo: Ensino herético de Apolinário, bispo de Laodicéia (310 – 391 DC) que dizia que na encarnação, Jesus assumiu corpo e alma humanos, mas não espírito humano; dessa forma, Jesus era meio Deus e meio homem. Essa heresia foi rejeitada no concilio de Constantinopla em 381 DC.

1.3             Eutiquianismo: Ensino elaborado por Êutico, monge em Constantinopla (375 – 454 DC) que afirmava que a natureza divina de Cristo absorveu sua natureza humana. Posteriormente esse ensino ficou conhecido como monofisismo. O monofisismo alega que Jesus tinha apenas a natureza divina. Ensino condenado no concilio de Calcedônia.

2.     Heresias que negam a Divindade de Cristo:

2.1             Ebionismo: Proveniente de uma palavra hebraica que significa pobre (Ébion – que alguns alegam ser o heresiarca do Ebionismo). Eram judeus cristãos que rejeitavam as cartas Paulinas, priorizavam as boas obras, ensinavam que Jesus era apenas humano, consideravam o cristianismo uma extensão do judaísmo, eram rigorosos ascetas, guardavam toda a Lei e eram considerados apóstatas pelos judeus não cristãos e eram rejeitados pelos gentios.

2.2             Arianismo: Ensino do presbítero Ário, presbítero em Alexandria no ano de 318 DC. Ensino esse que afirmava que Jesus era a mais excelente criatura de Deus, acima dos homens, mas abaixo de Deus. O primeiro ser criado por Deus. Essa é a heresia hoje propagada pelas Testemunhas de Jeová. Algumas denominações protestantes também propagam algo semelhante a isso, conhecido como “Semi-arianismo”, o próprio imperador Constantino veio a cair nessa heresia. Essa heresia foi condenada no Concílio de Nicéia, através de uma defesa ardorosa de Atanásio.

2.3             Adocionismo:   Heresia surgida em 150 DC que nega a encarnação, o nascimento virginal, Divindade de Cristo. Afirma que Jesus por ser o mais virtuoso dos homens foi adotado por Deus Pai no seu batismo. O Evangelho de João e Hebreus 1:5 bastariam para condenar essa heresia.

3.     Negações da Distinção entre Pai e Filho

3.1             Sabelianismo:  Ensino de Sabélio. Sua tônica é negar a Trindade. Sabélio afirmava que Deus se revelou de maneira sucessiva na história, ora como Pai sendo Legislador, Ora como Filho, sendo Redentor, ora como Espírito Santo sendo doador da Graça. Também conhecida como Patripassianismo, Modalismo, Socinianismo. Esse é o ensino do grupo Voz da Verdade. Ensino condenado em Roma no ano 215 e Sabélio foi condenado como herege em 268 no concílio de Antioquia

4.     Negações da União pessoal de Cristo

4.1             Nestorianismo: Ensino de Nestório, bispo de Constantinopla, nascido em Antioquia e morreu exilado na áfrica do norte em 450 DC, aluno de Teodoro de Mopstuésia. Afirmava que embora Jesus fosse Deus e homem existia nele duas naturezas separáveis e que conviviam lado a lado. Ensino rejeitado em calcedônia em 451 DC, onde se afirmou o dogma da União Hipostática ou Natureza Teântrópica de Cristo. Onde Jesus “É verdadeiro Deus e verdadeiro homem; segundo a Divindade é Consubstancial com o Pai; segundo a humanidade, consubstancial a nós.

5.     Demais Heresias:

5.1             Gnosticismo: Já circulava na Igreja ainda no período dos apóstolos. Esse ensino foi amplamente combatido por Paulo em Colossenses e João no seu Evangelho e Epístolas. Vem do grego Gnose: “Conhecimento”. Tinha várias ramificações.Ensinam que a divindade entrou no batismo e o deixou na cruz. (similar ao adocionismo), Marcião herege do séc. II, ensinava que  em vez de nascer de mulher, Jesus desceu com um corpo ilusório em Cafarnaum. Ensinavam que Jesus ensinou coisas superiores aos apóstolos Pedro, Tiago e João, coisas que ele não ensinou aos demais apóstolos e que eles eram reais herdeiros dos apóstolos quanto a esse conhecimento superior. Ensinavam ainda a existência de vários mediadores entre Deus e os homens violando assim o princípio de João 14:6 e 1 Timóteo 2:5. O apóstolo João desmantelou esse ensino em passagens como 1 João 2:20, 27 dizendo: “Vocês todos tem conhecimento (gnose) que vem do Santo (Jesus).”

5.2             Agnosticismo: Literalmente “Não-Conhecimento”. Afirma que o homem é incapaz de conhecer a Deus de qualquer forma.  Alguns acreditam que esse sofisma surgiu ainda na época de Paulo, devido a inscrição encontrada em Atenas “Ao Deus desconhecido – Agnos theos” registrada na Bíblia em Atos 17:23. Ignoram eles que a natureza é a revelação universal de Deus (Salmo 19:1; Romanos 1:20)

5.3             Panteísmo: Tudo é Deus, Deus é parte do criado. Essa heresia nega a Transcendência Divina, Deus opera no mundo, mas é separado deste. Deus está no céu (Salmo 115:3; Eclesiastes 5:2; Mateus 5:34; Isaias 66:1), contudo, ainda opera na terra (Atos 14:17)


5.4             Politeísmo: A crença em vários deuses. Os romanos e gregos eram politeístas exemplo claro disto é o panteão. A bíblia assegura o monoteísmo – a crença num único Deus supremo, criador de todas as coisas em Deuteronômio 6:4; 1 Coríntios 8:6; Eclesiastes 12:1.

5.5             Panenteísmo: Deus está em todo o universo, mas não há nada nele que lembre a Deus. Erro crasso, visto que a natureza testemunha acerca de Deus (Salmo 19:1; Romanos 1:20; Atos 14:17), juntamente com a própria consciência (Romanos 2:15).

5.6             Subordinacionismo: Também conhecido como “Monarquia do Pai”. Ensina que o Pai é maior que o Filho e o Filho maior que o Espírito Santo. Nega a Co-existencia, Co-igualdade do Pai, Filho e Espírito Santo expressa em Mateus 28:18-20; 2 Coríntios 13:14.

As heresias são a chibata de Deus na qual ele desperta seu povo para um estudo mais intenso, acurado, e metódico das Escrituras dizia Lutero. Que possamos examinar diariamente as Escrituras e vivê-las, para a exemplo dos pais apostólicos e apologistas refutar todas as heresias e proclamar a sã doutrina, a ortodoxia viva no poder do Espírito Santo.