terça-feira, 26 de julho de 2011

A importância dos frutos autênticos
“Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela; E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem. Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos devoradores. Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons. Toda a árvore que não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis. Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.” (Mt 7:13-23)
O verdadeiro fruto é o que distingüe o falso profeta do profeta autêntico. Porque observamos que todos os falsos profetas estão muito próximos da porta estreita. Jesus começa dizendo: “Entrem pela porta estreita, porém sejam cautelosos com os falsos profetas”. O que Jesus dizia ali era que os falsos profetas estão junto com vocês no cotidiano, vigiem e os conheçam para não andarem com eles E o próprio Jesus aponta o meio que os conheceremos: PELOS FRUTOS
E se nós analisarmos os frutos desses falsos profetas ficaríamos estupefatos. Eles profetizam, expulsam demônios, fazem muitas maravilhas. E a maioria dos cristãos verdadeiros nem sequer expulsam demônios quanto mais fazer muitas maravilhas.
Esse permanência dos falsos profetas não é de hoje, já nos tempos apostólicos existiam lobos devoradores no meio do rebanho.
Quando o apóstolo Paulo despedia-se definitivamente dos efésios, ele disse aos bispos daquele lugar: “Cuidem do rebanho que o Espírito Santo comprou com seu sangue, porque surgirão muitos falsos profetas que tentarão arrastar os discípulos após si”
Quando o apóstolo Pedro escrevia sua carta aos irmãos, ele dizia: “Irmãos, como houve falsos profetas no meio de Israel, da mesma forma haverá no nosso meio, portanto sejam sóbrios e vigilantes”.
Quando Judas, irmão de Tiago escrevia sua carta, ele dizia que esses falsos profetas são nuvens sem água, ou seja, só tinham  a aparência, mas não o conteúdo.
Os frutos ficam no nosso interior. Por isso, Jesus disse: “Interiormente”. Não é a quantidade de almas, dons, unção que determinam os frutos, mas a obediência.
Os falsos profetas tinham dons, uma falsa“unção”, mas não obedeciam. Jesus disse: “Todo aquele que faz a vontade de meu Pai entrará no reino dos céus”, isto é, quem o obedece.
Houve um homem chamado João Hyde que era um evangelista de mão cheia  de séculos passados, que dizia: “Conheço só uma palavra: OBEDIÊNCIA.
Por isso, Tiago, irmão de Judas, dizia: “Não sejam apenas ouvintes da palavra, sejam praticantes da Palavra. Obedientes à Palavra de Deus.
Os falsos profetas nunca renasceram, porque o Senhor Jesus disse: “Apartem-se de mim, pois vocês praticam a iniqüidade”. Quando cremos na revelação total do N.T. sabemos que aquele que vive na prática de pecado não é nascido de Deus, pois aquele que nasceu de Deus o guarda e o maligno não lhe toca.
A bíblia ensina que a lei do plantio e da colheita (Semeadura e Colheita) é algo eterno. Aquilo que o homem semear isso mesmo colherá. Se semearmos em prol da natureza carnal caída, da natureza carnal, colheremos corrupção, mas se semearmos em prol do Espírito de Deus, do Espírito de Deus colheremos vida eterna.
Leitor, qual tem sido nosso plantio? João Stot dizia: “Não espere resultados extraordinários por vias comuns”. Façamos coisas diferentes, para colhermos coisas diferentes. Os frutos falam do comportamento. O comportamento cristão no cotidiano é o que diferencia-nos dos ímpios.
Você tem atitudes cristãs? Você tem frutos autênticos? Quais frutos seriam?
Para exemplificar melhor, existem dois tipos de frutos autênticos:
1.      Os frutos gerais (Frutos do Espírito Santo como amor, alegria, paz, paciência)
2.      Os frutos pessoais (Atitudes pessoais, como orar, ler a bíblia, evangelizar)
Para aqueles que dizem não haver frutos pessoais, pela bíblia vejo que a vontade  e a unção de Deus para nós são pessoais, alguns exemplos:
·        Jesus ministrou as multidões como nas multiplicações de pães e peixes
·        Jesus ministrou a uma única pessoa como ao curar a sogra de Pedro, ao curar o servo do centurião romano, ao curar o paralítico trazido por quatro homens.
Entendemos, portanto, que a vontade de Deus é tanto geral como a santidade, mas também é pessoal, pois Deus se relaciona pessoalmente com seus filhos.
Podemos e devemos ter os dois tipos de frutos verdadeiros; Se você tem um, cultive o outro se você não tem nenhum busque ambos, se você tem os dois os conserve. Que possamos ser uma geração de profetas autênticos, cheios de frutos de Justiça em Jesus Cristo de Nazaré. Deus nos abençõe!