domingo, 16 de setembro de 2012

Os dois tesouros - Mateus 6:19-34




No sermão da montanha, Jesus relaciona dois tipos de tesouro. O tesouro terreno e o tesouro celestial. Eles tipificam dois estilos de vida, dois interesses distintos.

          I.            O tesouro celestial

      Está oculto em Deus e somente bons olhos podem vê-lo. Olhos que receberam de Deus o colírio para enxergar corretamente. Olhos que são puros. (Mateus 6:22-23)
Deus é puro de Olhos e não tolera de modo algum o mal (Habacuque 1:13), aqueles que querem ver o tesouro celestial precisam ter uma visão perfeita, em outras palavras, precisam ter um coração puro (Mateus 5:8), precisam receber de Deus o Seu Colírio (Apocalipse 3:18), que é a revelação da Palavra (Efésios 1:16-22). Precisam estar fitos somente em Jesus o tempo todo (Hebreus 12:1-2) com os pensamentos voltados o tempo todo para o Céu onde Cristo nossa vida está (Colossenses 3:1-3).
Olhos puros são olhos que tem revelação da Palavra. Olhos bons são luz para o corpo, e a Palavra é luz para o Meu caminho (Salmo 119:105).

      Fala de vida no Espírito, vida na dependência de Deus como os lírios do campo e as aves do céu, uma vida que passa apenas pela porta estreita.

Em toda bíblia há dois estilos de vida, o estilo que recebe o tesouro celestial é o estilo de vida no Espírito, estilo de confiança e dependência de Deus. Que abre mão da própria capacidade, simbolizado por Abel, Isaque, Abraão, Moisés, Elias, Neemias, Davi, Ester, Daniel, Jó. É uma vida eterna, quem semeia para o Espírito, colhe vida eterna do Espírito, porque quem tem a mentalidade do Espírito colhe vida e paz. (Romanos 8:5-6; Gálatas 6:8), uma vida não perecível (1 Coríntios 15:50-52).

  Prioriza somente a vontade de Deus e não a própria busca por felicidade. Caracterizado por frutos e não manifestações, marcado pela obediência.

É naquele momento que nossos frutos são dignos de arrependimento (Mateus 3:8), é naquele momento que entendemos que todas as coisas perto do Conhecimento de Cristo são apenas esterco (Filipenses 3:8), entendemos que o propósito divino é maior que a proposta do mundo. Não somos obreiros fraudulentos, mas filhos genuínos (Mateus 7:15-23). Onde optamos pela vontade de Deus mesmo em detrimento a nossa.

        II.            O tesouro terreno

 Está preso a coisas terrenas tais como comida, bebida, roupas  e é o único objeto de busca dos mais miseráveis de todos os homens.

Nossa vida não se limita a coisas debaixo do sol. Não se limita apenas a comer, beber e divertir como os israelitas fizeram no deserto do Sinai. (Êxodo 32:4 e Eclesiastes 1:3).  Nossa vida não se limita a ter fama, andar na moda, ter luxo, essas coisas não são de modo algum pecaminosas, porém não devem constituir-se o único foco da nossa existência, nós fomos criados para o louvor da glória de Deus. (Isaías 43:21). Paulo disse: “Se esperamos em Cristo apenas aqui na terra somos os piores homens que o Universo viu” (1 Coríntios 15:19).

 Fala de vida na própria capacidade e esforço como os esforços feitos pelos hipócritas ao jejuarem, orarem nas praças. Caracterizado por teatro e não obras. Uma vida que passa pela porta larga. (Vida na Alma)

Maldito é o homem que confia na própria capacidade (Jeremias 17:5), Porque não é por força e nem por violência, mas pelo Espírito Santo que vencemos (Zacarias 4:6). Os que têm este estilo de vida são pagãos e hipócritas, a palavra hipócrita refere-se aos atores de teatro. Eles vivem uma encenação. Eles buscam reconhecimento humano. Eles querem promover o próprio Nome, ao invés de promover o Bendito Nome de Deus. Esse estilo de vida é Também conhecido como carnal e almático simbolizado por Caim, Ismael, Ló, Janes e Jambres, Datã, Abirão, Coré, Dalila, Jezabel, Saul, Tobias, Gésem, Sambalate, Nabucodonosor. O conselho de Deus para quem vive na alma encontra-se em Provérbios 3:5 que diz: ‘Confie no Senhor de todo o seu coração e não se apóie na sua própria capacidade e entendimento’. E ainda Provérbios 3:7 que diz: ‘Não fique cheio de Si, pensando que sua própria sabedoria  é a razão do Seu sucesso’.

Prioriza o ser visto pelos homens, necessita ser aprovado por homens, preferem mais a aprovação dos homens que a aprovação de Deus. Caracterizado por uma vida frágil, suscetível a todo engano.

Os judeus do tempo de Jesus eram assim (João 12:42-43), são pessoas que querem agradar a tudo e a todos, que se esquecem que  se aceitamos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior (1 João 5:9), que se agradamos os homens, desagradamos a Cristo (Gálatas 1:10).

      III.            Como sair do tesouro terreno e entrar no Celestial?

   Passando pela porta estreita que é Jesus (João 10:9)

Somente Jesus é a porta estreita que conduz a vida sendo ele a vida (João 14:6). Ninguém é filho de Deus se não tiver Jesus em Si (João 1:11-13). Quem tem o Filho tem a vida (1 João 5:12) quem não tem está debaixo da Ira de Deus (João 3:36);

Meditando na Bíblia

A bíblia tem 66 livros, aproximadamente 40 autores, escrita em um período de 1600 anos, em três continentes (Ásia, Europa e áfrica) em três idiomas (hebraico, aramaico e Grego), mas tem um único tema: Jesus. Ele disse: Examinem as Escrituras, elas testificam de mim (João 5:39). Seus autores tiveram diversas profissões, mas um único foco.

 Orando

Os três conselhos de Billy Graham são: Ore, Ore, Ore. Paulo recomenda: Orem sem cessar (1 Tessalonicenses 5:17), orem em todo no Espírito (Efésios 6:18), Judas, irmão de Jesus recomenda: ‘Edifiquem-se na sua fé santíssima orando no Espírito Santo (Judas 20), Jesus contou uma ilustração sobre o DEVER DE ORAR SEMPRE E NÃO ESMORECER em Lucas 18:1

Orar é ter a oportunidade de trazer o céu à terra.

Qual destes dois estilos de vida temos adotado? Que tesouro temos buscado? Jesus disse: Quem busca encontra (Mateus 7:7-8), por isso ele disse: Busquem o Reino de Deus (Mateus 6:33), porque então teremos vida e Paz (Romanos 8:6).