quinta-feira, 22 de maio de 2014

TEOLOGIA SISTEMÁTICA: UMA INTRODUÇÃO

Recentemente concluímos algumas postagens sobre a História da Igreja; e agora sentimos a necessidade de falar um pouco sobre Teologia, especialmente a Teologia Sistemática; dada a atual carência de muitos cristãos sérios de um arcabouço doutrinário sadio. Antes de mais nada, informamos que nossa abordagem será essencialmente reformada.

 Primeiramente, vamos definir os termos:

Teologia → Uma palavra composta. Derivada de dois termos gregos "Theos" e "Logia". Theos significa "Deus", Logia significa "Estudo". Teologia é então o "estudo" acerca de Deus. Melhor traduzido como "O assunto acerca de Deus".

Sistemática →  Quando aplicada a Teologia, Sistemática significa que estudamos as doutrinas nos moldes gerais da Escritura e sem nos restringirmos a um livro específico. Quando estudamos um tema específico em um livro específico da Bíblia, esse estudo recebe o nome de "Teologia Bíblica." Quando estudamos o Ser de Deus, por exemplo, estudamos seu caráter, suas obras, seus atributos, seus nomes, sua Tri-Unidade etc; dentro de toda a Bíblia, percorrendo de Gênesis a Apocalipse. Teologia Sistemática, cobre um assunto em toda a Bíblia.

Por que devemos estudar Teologia?

1. A Bíblia nos estimula a tanto


Todo pregador mencionado nas Escrituras, dedicou-se ao estudo sério da Teologia, ainda que essa nomenclatura não seja mencionada no Livro Sagrado.  Esdras foi um escriba "versado na Lei de Moisés" (Esdras 7:6). Daniel dedicou-se ao estudo na Lei (Daniel 9:1-2). O Salmista (Salmo 1:2-3) nos estimula a meditar (estudar) a Lei do Senhor.

Jesus na grande Comissão deu-nos ordem para ensinarmos os neófitos (Mateus 28:19-20). Alguns dos apóstolos foram profetas e mestres (ou professores) na igreja primitiva [Atos 13:1]. Nas cartas, o apóstolo Paulo menciona o dom de 'ensino' (Romanos 12:7). Um dos dons/ofícios permanentes do Espírito à Igreja.

2. A História da Igreja nos estimula a tanto

Grandes estudiosos de Teologia se levantaram ao longo dos séculos, principalmente no período patrístico. Temos o exemplo de Ambrósio, Agostinho de Hipona, Orígenes, João Crisóstomo, Gregório de Nissa, Tertuliano, Irineu de Lião e tantos outros.

Grandes estudiosos de Teologia se levantaram também na época da Pré-Reforma. Temos os exemplos dos Lollardos, dos Valdenses e alguns mais.

Grandes estudiosos de Teologia se levantaram na época Reforma e pós-Reforma. Temos os exemplos de Martinho Lutero, Erasmo de Roterdã, Ulrico Zuinglio, João Calvino, Martin Bucer, Jacó Armínio, Jonathan Edwards, John Owen, Charles Spurgeon, Karl Barth.

Grandes estudiosos de Teologia se levantaram na época moderna. Temos os exemplos A. G. Simonton,  Louis Berkhof, John Stott, John Piper, Billy Graham, Augustus Nicodemus (IPB), Hernandes Dias Lopes (IPB), Héber Campos Jr (IPB)., Claudionor de Andrade (AD), Antonio Gilberto (AD), Paulo B. R. Anglada (IPB) entre tantos outros não mencionados.

3. As heresias, seitas/modismos nos obrigam a tanto

Desde o seu nascimento,  a Igreja têm enfrentado adversários tanto vindos de fora (saduceus, fariseus, herodianos, Romanos) quanto de dentro (Ebionitas, Marcionistas, Arianos, Judaizantes, Docetistas, etc). Os de fora causavam perseguição, os de dentro corrupção. 

Martinho Lutero, o grande reformador do séc. XVI diz que as heresias são o açoite de Deus, os quais ele usa para despertar sua Igreja. É notável a veracidade dessa afirmação; Aramis C. de Barros diz que "nos primeiros vintes anos, a Igreja ficou restrita a Jerusalém". Foi necessário que a perseguição se estabelecesse para que a Igreja despertasse para as missões. O apóstolo Pedro diz em sua primeira carta que nós devemos saber responder sabiamente a qualquer que nos pedir razão da nossa fé (1 Pedro 3:15). Quando Pedro diz "razão", pode ser traduzida como "defesa", daí vem o nosso termo apologia. É necessário que estudemos para que saibamos responder sabiamente a qualquer que nos pedir razão da esperança que há em nós. (Vide Colossenses 4:6)

4 Ajuda-nos a evitar os erros teológicos

O rev. Hernandes Dias Lopes diz que a história pode ser nossa coveira ou então nossa pedagoga, podemos aprender com seus erros ou repeti-los. Reconheço que ao longo de mais de 2.000 anos de tradições, muitos acertaram e erraram. Reconheço que nem sempre é fácil decidir por um caminho seguro e ortodoxo.
Mas, a História da Teologia está aí para nos instruir melhor. Podemos beber de fontes fidedignas e piedosas. Podemos observar e imitar o exemplo de vários homens e mulheres de Deus, cheios do Espírito, que tiveram vidas piedosas.

Através da Teologia podemos comparar nossas opiniões e interpretações com outras opiniões e interpretações, evitando assim que caiamos em erros teológicos graves.

Como estudar seriamente Teologia Sistemática?

O rev. Augustus Nicodemus ensina que é impossível lermos a Bíblia sem algumas "lentes", e por "lentes" entendemos alguns princípios, alguns pressupostos teológicos. Alguns desses pressupostos básicos são:

1. Crer na Inspiração Plenária e Verbal da Bíblia;

Os teólogos liberais insistem em dizer que a Bíblia não é a Palavra de Deus, que ela é cheia de mitos. Insistem em dizer que o Espírito Santo de Deus não inspirou os escritores humanos no que escrever e quais palavras empregarem ao escreverem. Mas, nós, cristãos confessamos que ela é a Palavra de Deus, inspirada por Ele, nas suas doutrinas e nas suas terminologias. (2 Timóteo 3:15-17)

É necessário fazer uma observação aqui. Quando dizemos que a Bíblia toda é inspirada, inerrante, autoritativa, estamos nos referindo essencialmente aos escritos originais, aqueles dos quais saíram da pena dos profetas e dos apóstolos. Os famosos autógrafos, dos quais, todos se perderam. Mas, graças a Deus, pelas descobertas arqueológicas, que tem comprovado cada vez mais, a exatidão da Bíblia.

2. Crer na Literalidade da Bíblia;

Os teólogos liberais insistem em ensinar que o relato de Jonas na barriga do grande peixe é uma lenda. Bem como a crucificação do Senhor foi apenas um desmaio. Ora, sabemos que a morte do Senhor e sua ressurreição é de importância fundamental para nossa fé. É necessário crer na literalidade da ressurreição dos mortos, no juízo vindouro, no arrebatamento dos santos e todos os outros artigos essenciais da fé.

3. Uma vida piedosa;

A Teologia não tem como finalidade apenas aumentar nosso conhecimento, mas transformar nossa vida. Nenhum teólogo estava à toa quando explicou a doutrina, mas os conceitos teológicos surgiram num contexto no qual era necessário refutar falsos ensinos, elucidar a doutrina. Nenhum teólogo ficava pensando em quantos anjos cabem na ponta de um alfinete como diz Roger Olson.

Paulo ao longo de seus escritos, faz ousadas advertências a Timóteo para que ele (e também, vários de seus companheiros) cuide de sua vida e da doutrina (1 Timóteo 4:16). É como se Paulo dissesse: "Timóteo, tenha conhecimento, mas tenha piedade." Incisivo é o fato que o termo piedade ocorra várias vezes nas cartas pastorais. (1 e 2 Timóteo e Tito).

4. Senso critico;

Gosto muito do Livro "E a Bíblia não diz" do Pr. Antonio Evangelista, porque nele, o referido autor diz que nossa geração está se alimentando de enlatados bíblicos. Nossa geração perdeu o costume de examinar o que é dito no púlpito, no facebook, nos livros, nos dvd's etc. Costume esse que era prática em Israel (Deuteronômio 13:1ss; Isaías 8:19ss) e também na Igreja (Atos 17:11ss; 1 Tessalonicenses 5:17-21; 1 João 4:1ss; 1 Coríntios 14:29ss). E partir desse senso reter o que se harmonizar melhor com as Escrituras.

5. Ler bastante;

Todo pregador deve ser um estudante enquanto viver. Se os elefantes são adestrados, os pregadores podem ser ensinados a pregar (Erasmo de Roterdã). O rev. Hernandes Dias Lopes ensina que alguém que tenha vocação pastoral e não gosta de ler, muito provavelmente deve revisar essa chamada. O importante aqui é não sair engolindo tudo o que está nos livros, mas julgar o que está sendo dito.

Quais são as áreas cobertas pela Teologia Sistemática que abordaremos aqui?

Uma ressalva importante aqui é que não tencionamos cobrir todo o escopo teológico. Haverá matérias intencionalmente omitidas, devido ao tempo que dispomos a escrever e por estarmos aprendendo constantemente e revisando nossos conceitos constantemente. Como li no livro de Howard Hendricks  "Quem pára de aprender hoje, pára de ensinar amanhã". Reservamo-nos ao direito de excluir ou incluir matérias ao longo das publicações.


  • Teontologia - A pessoa, obra, atributos e nomes de Deus Pai
  • Cristologia - A pessoa, obra, atributos e nomes de Deus Filho
  • Pneumatologia [Paracletologia] - A pessoa, obra, atributos e nomes de Deus Espírito Santo
  • Trindade de Deus - Um Deus que é tanto Uno como Trino
  • Hamartologia - A entrada e a conseqüência do pecado no mundo 
  • Soteriologia - A ordo Salutis, A Expiação, a durabilidade da salvação
  • Eclesiologia - A fundação da Igreja Cristã e os seus sacramentos e forma de governo 
  • Escatologia - A Bíblia e o fim dos tempos (Visão Amilenista)
  • Hermenêutica - Princípios de Interpretação da Bíblia Sagrada (Versão Resumida)
  • Homilética - Princípios de Pregação e Prédica Cristã
  • Teodiceia - Como um Deus Justo e Bom pode permitir a presença do mal no mundo? 
  • Credos de Fé (Atanásio, Niceno-Constantinopolitano, Apostólico)
  • Bibliologia - Formação do Cânon e sua miraculosa preservação
  • Conclusão: Uma pincelada em Apologética e Arqueologia Bíblicas

PREVISÃO DE INCIO DO 'CURSO GRATUITO'

Ainda não temos em mente uma data prevista para o incio das publicações, mas nos disponibilizamos a enviar por e-mail a apostila das matérias aos interessados quando elas estiverem prontas. Interessados envie o e-mail para prjuniormlpudi@gmail.com

Deus os abençõe,

Marcos Júnior.