quinta-feira, 3 de julho de 2014

O lugar da Pregação na Igreja


Terminei nesta semana um curso online oferecido pela Editora Fiel de Pregação Expositiva. Preciso confessar que este curso mudou minha perspectiva sobre a pregação. Agora tenho uma visão mais sublime sobre uma atividade tão vital para igreja, se não, a mais importante. Quero aproveitar indica-lo se você deseja se aperfeiçoar na área de pregação, principalmente a expositiva (ler, explicar e aplicar o texto), faça-o.

Depois que terminei o curso, senti em meus ombros uma responsabilidade como nunca tinha sentido antes. A pregação sempre foi levada a sério por mim, mas hoje, eu tremo diante dela. E como não tremeria? Ela simplesmente é o motor da Igreja. É ela que leva a igreja para mais perto do Senhor, e nada mais consegue fazer isso. Hoje, ao subir em um púlpito, eu não consigo deixar de pensar que estou diante da tarefa mais extraordinária e mais sublime na igreja. 

Pois é, tudo parece muito bonito olhando dessa forma, mas, não é assim que a igreja contemporânea pensa. As outras atividades realizadas na igreja, como músicas (principalmente), teatros, orações e etc., tomam maior atenção e maior interesse por parte do povo de Deus. O momento de “louvor” (que é erroneamente restrito a apenas músicas) é o grande ápice no culto. Já ouvi pessoas dizerem que no momento de “louvor” Deus fala mais com ela do que propriamente na pregação. O diagnóstico é o seguinte: a pregação é legal, mas não o principal. A valorização das músicas, e as apresentações artísticas são o grande baluarte da igreja contemporânea. Já o momento da pregação é visto como algo arcaico e chato. O correto seria que a igreja, no momento da ministração da Palavra de Deus, sentisse o coração pulsar mais forte, pois chegou o momento mais importante: “agora sim, chegou o momento mais importante do culto. Esse é o momento em que Deus será mais glorificado, quando sua Palavra é lida, explicada e aplicada a nós”. Não vejo isso!

Lá vai uma experiência particular: certa feita fui chamado para pregar num evento em uma praça. Como sempre, havia muita música, muito teatro e muitos convites chamativos para não crentes. O momento de pregação era de uns 15 minutos, pois o líder me havia dado essa informação. Antes de chegar a minha vez, o líder sussurrou em meu ouvido: “olha, eu trabalho com jovens na minha cidade, meu ministério é forte, então fale pouco, eles precisam ouvir Deus através das danças e de músicas”. Aquilo fez doer o ouvido. Quando chegou a hora eu tremi. Disse comigo mesmo – isso não vai dar certo, ninguém vai ouvir o que tenho a dizer. Decidi que pregaria o evangelho e nada mais. Disse os ouvintes que Deus era um Deus santo, e que não podia manter comunhão com o pecado. Falei da nossa condição de pecado que vai além de ações, mas se trata de uma questão de natureza, e finalizei com a justificação em Jesus. Terminei, logo em seguida o líder do evento pegou o microfone e afirmou: “Olha pessoal, não é bem assim as coisas. Jesus ama a cada um de vocês...”, e você já sabe o que ele disse.

O que eu quero dizer é que a pregação está sendo deixada em segundo plano. Ela deve ser o centro de todas as atividades da Igreja. Martyn Lloyd-Jones já afirmava que “a necessidade mais urgente da igreja cristã contemporânea é a verdadeira pregação. ” A maior necessidade da igreja não é de músicos carismáticos que aparecem na televisão e nem de ser atrativa. A maior necessidade da igreja é a pregação fiel. O púlpito deve estar no centro do templo. Quando um pregador sobe no púlpito a igreja precisa entender que é o momento em que Deus quer falar com ela através da exposição das Escrituras.

Não é de agora que vejo o Rev. Hernandes Dias Lopes afirmar que a igreja só experimentará um crescimento saudável, quando houver um foco maior na pregação. Nada pode substituir essa atividade. A pregação deve ser o centro e a orientação de toda a igreja, das crianças, aos jovens, e até aos adultos. É isso mesmo, jovens só serão fortes e animados, quando houver um foco na pregação da Palavra de Deus. 

Vou colocar alguns motivos que eu acredito que a pregação deve ser o centro de toda a igreja:

1. É por ela que Deus fala com a igreja. Não adianta você vir até minha casa, me ligar, debater comigo no facebook, nada vai mudar a minha posição de que SOMENTE pela exposição da Bíblia, Deus fala com seu povo. Não nego que Deus conforte você pelas canções e o confronte pelas apresentações artísticas, mas Ele só revelará a Sua vontade através da Palavra de Deus.

2. Tudo o que a igreja faz é orientado pelas Escrituras Sagradas. Todas as atividades feitas na igreja devem ser regidas pela Palavra de Deus, inclusive as músicas, logo, a pregação deve exercer o papel mais importante.

3. Um púlpito raso gera igrejas rasas (Steven Lawson). Como que a igreja irá crescer se não houver pregação? 

4. Se não há pregação não há conversão. Esse ponto é bem semelhante ao primeiro. O Espírito Santo usa a Palavra que Ele mesmo inspirou para levar as pessoas a Cristo.

5. Deus é mais glorificado quando há pregação, pois Ele se torna o centro do culto, a Pessoa e a Obra de Jesus são expostos e assim Deus é verdadeiramente glorificado.


Que as nossas igrejas tomem a pregação fiel das Escrituras como o centro de suas vidas. Tratei aqui sobre o lugar da pregação, num segundo momento quero falar sobre o conteúdo da pregação. Deus o abençoe.