A oração do Senhor: O quarto pedido em Mateus e o terceiro em Lucas: O Pão Nosso diário dá-nos hoje (3)



Orar é invocar a Deus em toda a necessidade. Todos nós devemos e precisamos orar. Somos ordenados por Deus a orar no segundo mandamento da Lei e aqui somos presenteados por Deus com uma oração que abrange tudo o que precisamos nessa vida. Essa é a oração da Igreja, é comunitária, todos os verbos estão no plural. Aqui oramos uns pelos outros e uns com os outros. Essa oração é trinitária, foca em Deus, o Pai, o Criador, ao pedirmos o pão que representa tudo que vem da terra. Foca em Deus, o Filho, ao pedirmos perdão e, em Deus, o Espírito Santo ao pedirmos livramento das tentações.

Sete são as petições: as primeiras três se relacionam mais expressamente com Deus e sua honra (teu nome, teu reino e tua vontade); as outras quatro, com nossas preocupações temporárias e espirituais. Esta oração nos ensina a buscar primeiro o reino de Deus e sua justiça, e todas as outras coisas serão agregadas.

Na história da pesquisa sobre a versão do texto original surgiu uma questão difícil: deve ser traduzido: “Pai, dá-nos o pão destinado e suficiente para o dia vindouro”, ou “dá-nos o pão destinado e suficiente para este dia”? A decisão caiu em favor da tradução “dá-nos hoje o pão para o dia vindouro”, ou seja, o pão necessário para a existência, o pão diário (cf. 1Tm 6:8).

O teólogo Zahn fez uma referência ao diarista, que é valiosa para a compreensão da quarta petição. O diarista pertence ao grupo de pessoas que precisam “comprar cada dia o pão do padeiro”, ou seja, que não pode, como os abastados, assar pão para a semana inteira. Se nos colocarmos na situação dele e o imaginarmos como aquele que sustenta a família, que precisa viver da mão para a boca, então realmente não será falta de fé quando ele pedir: Dá que eu hoje possa ganhar tanto que eu e os meus amanhã tenhamos o suficiente para comer.

A maioria das pessoas na Palestina da época de Jesus recebia um denário no final do dia, como na parábola de Mateus 20. Com isto, ele comprava comida para sua família, óleo para lamparina e outras coisas. Aquele denário, típico salário de um dia de trabalho mal cobria as despesas diárias. Assim, a oração que Jesus nos ensinou é comovente por sua confiança absoluta em Deus como Provedor diário. Esse é um lembrete de que tudo que precisamos para nossas necessidades ser-nos-á dado; para nossas necessidades, não caprichos.

Provavelmente Jesus ensinou-a aos discípulos em diferentes ocasiões. A palavra "cada dia" (gr. epiousion) é encontrada apenas uma outra vez em na literatura grega e seu significado preciso é, portanto, incerto. No entanto, encontrou-se num documento do Egito em um contexto que sugere o significado "rações diárias". Provavelmente o melhor meio de entendê-la é "pão para o dia que chega", isto é, se usado na manhã, "o pão de hoje" e se usado à noite, "o pão de amanhã". As opiniões quanto ao seu significado variam entre "diário", "necessário para a existência" e "dia seguinte".

 Acrescenta-se a isso o pensamento seguinte: Em seu teor, o Pai Nosso não é de nenhum modo super-espiritual, entusiasta, sobrenatural no sentido de que o pão não caberia numa oração. Ao contrário, seu sentido é bem natural, respectivo às preocupações pelas necessidades diárias e corporais.

Ainda mais: A singela palavra “pão” previne de todo luxo, toda ânsia de consumo, e exorta para a simplicidade e o controle dos desejos. Nessa petição e na próxima, temos a plenitude das necessidades para o Ser: Corpo (pão) e Alma (perdão).

Para as pessoas nos tempos bíblicos, o pão era uma parte básica da comida diária. No falar cotidiano, eles freqüentemente falavam da comida em geral como pão (Sl 37:25; Pv 31:27; Ec 9:7; Is 30:20; 2Ts 3:8). Em certo sentido, Jesus é o Pão vivo que veio do céu (Jo. 6:51), que veio para saciar nossa fome de Deus (Jo. 6:35). Aqui nestes versos, temos um dos pilares da Reforma Protestante: A suficiência de Cristo (Solus Christus).

Convém lembrar que essa oração tenciona nos ensinar como Jesus disse que “nem só de pão viverá o homem, mas de toda a Palavra que sai da boca de Deus” (Mt. 4:4). Ela é o antídoto para a ansiedade quanto ao que comer e beber vistos no versículo 25. O padre grego Theophylacto diz que essa petição é um antídoto para a ansiedade diária, pois como ele observou, o significado de diário aqui tem a ver com Pão suficiente para nosso sustento ou apoio, assim como acreditava João Crisóstomo, o Boca de Ouro.

Pão diário, deve ser observado, de acordo com o idioma hebraico, significa toda a provisão da mesa, veja Gênesis 18:5; e aqui inclui vestimenta e tudo o que é necessário para a vida. Lutero assim também pontuou em Seu Catecismo Menor. Ao falar do pão, ele diz:

Tudo que se refere ao sustento e às necessidades da vida, como por exemplo: comida, bebida, roupa, calçado, casa, lar, meio de vida, dinheiro e bens, marido e esposa íntegros, filhos íntegros, empregados íntegros, patrões íntegros e fiéis, bom governo, bom tempo, paz, saúde, disciplina, honra, amigos leais, bons vizinhos e coisas semelhantes.

Essa oração revela alguns dados sobre a provisão divina:

1.    Uma provisão constante


O grego de Lucas em Lucas 11 é bem conciso. É como se, ao ensinar-nos a orar Jesus dissesse: “Continue nos dando nosso pão todos os dias para sempre”. A versão de Lucas traz a continuidade do presente (seja dia a dia); Se a oração fosse feita à noite, pedia-se pelo pão do amanhecer, se fosse feita ao amanhecer, pedia-se pelo pão da noite. Aqui, o grego dá a entender uma petição numa futura sucessão ininterrupta. O diário aqui pode ser entendido como pão para o dia de agora, pão nosso de amanhã, do futuro, o pão essencial, necessário à vida.

2.    Uma provisão espiritual


Alguns dos Pais da Igreja como Orígenes, Tertuliano, Cirilo de Jerusalém, Atanásio, Ambrósio e Agostinho interpretaram esse pedido como além do necessário para subsistência na terra, um pedido para que Jesus Cristo nos fosse dado. Ele que é o Pão Vivo que desceu do Céu e dá vida ao mundo (Jo. 6:32-35).

3.     Uma provisão coletiva


Dissemos e repetimos que a oração está conjugada no plural. O pão é nosso. Aqui oramos para que Deus abençoe não somente a nós e nossos conhecidos, como também a toda a humanidade. Que Deus abra suas mãos e dê o necessário a subsistência a todos os seres vivos do planeta, especialmente a humanidade.

4.   
Uma existência doada


Na Bíblia, somos orientados a esperar de Deus a provisão diária (Sl. 104:27; 145:15), aqui oramos para que todo empecilho seja removido para que essa provisão chegue até nós. Chegamos diante de Deus em petição. Chegamos diante de Deus reconhecendo que ele é a origem de todo o bem material, emocional que desfrutamos. Chegamos diante de Deus reconhecendo que não merecemos de nenhuma forma todas as bênçãos que ele tem nos dado gratuitamente. Chegamos dizendo: “Dê-nos”. Não exigimos nem determinamos, apenas pedimos.

O "hoje" na oração recorda-nos o maná no deserto. Dizendo-nos que a provisão de Deus é diária. Dizendo-nos que não deve haver espaço para a ansiedade. Dizendo como está nos salmos: “Deus, a cada dia leva nossos fardos” (68:19). É um lembrete de que devemos lançar toda a ansiedade aos pés de Jesus e ele nos sustentará (Sl. 55:22; 1Pe. 5:6-7; Fp. 4:6; Mt. 6:24-34).

Devemos notar, no entanto, que a oração do Senhor não se baseia no nosso merecimento. Oramos porque Deus nos ordenou orar no segundo mandamento; oramos porque Deus prometeu ouvir-nos nos profetas e no Evangelho. Oramos não porque somos melhores ou mais eficientes, antes, oramos por reconhecermos que precisamos de Deus e sua graça.

O quarto pedido tem a ver com a criação – papel proeminentemente, mas não exclusivo de Deus, o Pai.  Na Bíblia, o pão representa tudo quanto é necessário para subsistência física e emocional na Terra. Aqui, oramos para que Deus nos dê tudo quanto for necessário para nossa subsistência em todos os níveis (familiar, profissional, corporal, social, governamental).

Essa oração do Senhor é trinitária. Relaciona-se com o Pai falando da criação e sua manutenção, com o Filho e a redenção e com o Espírito Santo falando da preservação e santificação. Olha para o Passado (perdão), presente (Pão), e o Futuro (Livra-nos). A oração do Senhor é comunitária. Aqui oramos uns pelos outros e uns com os outros. É a oração da Igreja. Ela está toda conjugada no plural: Pai Nosso, O pão nosso, Perdoa-nos nossos pecados, não nos induzas, livra-nos do Maligno.

Quando oramos pedindo essas coisas aparentemente tão-somente naturais e terrenas, na verdade, estamos orando para Deus, o Pai, se dê a nós através delas. Lutero em sua confissão de 1528 diz que o Pai se nos dá com céus e terra e todas as criaturas para que nos sirvam e sejam proveitosas.
CONCLUINDO...

Ao oramos essa petição estamos pedindo a Deus:

·         Sustento para o corpo e alma, isto é, para o homem todo;

·         Revelação de quem Jesus Cristo é e sua suficiência para nós nesta vida e na próxima

·         Uma provisão constante;
·         Uma provisão comunitária
·         Reconhecemos que nossa existência é uma existência doada – como visto na petição anterior.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESBOÇO DE GÁLATAS 5:13-26 "OS TRÊS MINISTÉRIOS DO ESPÍRITO SANTO DE DEUS"

Vai valer a pena

Frases impactantes